Quarta, 19 de Junho de 2024
22°

Tempo limpo

Osasco, SP

Política Arcabouço fiscal

Lula sanciona novo arcabouço fiscal com dois vetos ao texto aprovado pelo Congresso

Presidente retirou regra para que o governante seja penalizado pela Lei de Responsabilidade Fiscal, se descumprir meta, item que afirmava que LDO não poderia tratar de exclusão de despesas primárias da meta.

31/08/2023 às 17h58
Por: Diego Giliotti
Compartilhe:
Lula sanciona novo arcabouço fiscal com dois vetos ao texto aprovado pelo Congresso

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) aprovou nesta quinta-feira, 31, o novo arcabouço fiscal com dois vetos. A sanção foi publicada no Diário Oficial da União. Entre os trechos retirados por Lula do texto final está uma da regra para que o governante seja penalizado pela Lei de Responsabilidade Fiscal, quando descumprir o limite inferior do resultado primário. O trecho cortado ditava que as despesas de investimentos poderiam ser reduzidas até a mesma proporção da limitação incidente sobre o conjunto das demais despesas discricionárias. O governo argumentou que a medida teria mais rigidez aos processos de gestão orçamentária e teria impacto significativo sobre despesas essenciais da União.

A segunda alteração foi a retirada de um trecho que afirmava que a Lei de Diretrizes Orçamentárias não poderia dispor sobre a exclusão de quaisquer despesas primárias da apuração da meta de resultado primário dos orçamentos fiscal e da seguridade social. Para o Executivo, o item iria reduzir a eficiência econômica na gestão fiscal.Os vetos têm de ser votados pelo Congresso.

Para rejeitar um veto, é preciso o voto da maioria absoluta de deputados e senadores. O novo regime fiscal conta com um conjunto de regras para orientar os gastos públicos e garantir que o Estado tenha recursos suficientes para realizar seus projetos. Anteriormente, era utilizado o teto de gastos, que estipulava o limite financeiro que cada órgão governamental poderia utilizar.

O texto prevê que o crescimento dos gastos públicos pode variar entre 50% e 70% do crescimento da arrecadação do Estado, descontada a inflação. O atual teto de gastos passa a ter banda (capacidade de variação) com crescimento real da despesa primária entre 0,6% a 2,5% ao ano, sem considerar a inflação.

Se os esforços do governo de aumento de receitas e redução de despesas resultarem em primário abaixo da banda, fica obrigada a redução do crescimento de despesas para 50% do crescimento da receita no exercício seguinte. Os deputados definiram que o investimento seja 0,6% do PIB, o que seria equivalente a R$ 60 bilhões.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Diego Giliotti
Diego Giliotti
Sobre Jornalista, publicitário e libertário.
Osasco, SP Atualizado às 10h05 - Fonte: ClimaTempo
22°
Tempo limpo

Mín. 14° Máx. 26°

Qui 28°C 16°C
Sex 28°C 16°C
Sáb 28°C 17°C
Dom 29°C 18°C
Seg 31°C 19°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes